Planalto se afasta de ações para 200 anos da Independência

A 2 anos de completar 200 anos como nação independente, o Brasil ainda não tem 1 planejamento unificado para discutir e executar eventos, atos e obras que comemorem a data histórica, aponta reportagem do jornal Folha de S.Paulo publicada nesta 2ª feira (7.set.2020).

O decreto que instala a Comissão Interministerial Brasil 200 Anos, de junho de 2019, estabelece reuniões mensais e coordenação do Ministério da Cidadania. No entanto, indagada sobre quais ações são planejadas para o bicentenário, a pasta respondeu que essas informações são de responsabilidade da Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

Em nota, o Ministério do Turismo afirmou que “está prevendo ações para o bicentenário nas seguintes linhas temáticas: diálogo com a sociedade; interlocução com os Entes Federativos; acadêmica – debate acadêmico/produção de conhecimento; produção/difusão cultural; eventos e comemorações de datas alusivas; educacional; política externa; turismo e legado”.

“Essas ações têm o objetivo de estimular uma reflexão sobre o país: o que conquistamos, o que já realizamos e o que ainda falta alcançar. Atuar, na esfera federal, para o resgate do espírito de brasilidade, para que os cidadãos valorizem cada vez mais a História e a Cultura que constituem as nossas referências”, completa a nota, sem listar ou detalhar as ações estabelecidas.

Segundo a Folha, a Funag (Fundação Alexandre de Gusmão), subordinada ao Ministério das Relações Exteriores, tem uma série de publicações que levam o nome do bicentenário da Independência, nem todas disponíveis gratuitamente.

As duas casas do Congresso possuem comissões dedicadas às comemorações da data histórica. A do Senado foi instituída em 5 de setembro de 2019 e é presidida pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). A da Câmara funciona desde abril de 2019 e é presidida pelo deputado Enrico Misasi (PV-SP).

As comissões não têm orçamento próprio. Randolfe Rodrigues Enrico Misasi manifestaram preocupação com a ausência de ações do governo federal em relação ao tema.

“Me preocupa o governo não ter tomado nenhuma iniciativa mais detalhada. Os esforços têm que ser coordenados pelo governo central”, afirmou o senador.

No Senado, a comissão assinou há duas semanas 1 protocolo com a Universidade Católica da América, em Washington (EUA), para transferência digital do acervo com cerca de 40.000 volumes da Biblioteca Oliveira Lima. O processo foi feito em parceria com a Biblioteca Nacional.

O nome da biblioteca se refere ao dono original do acervo, o diplomata pernambucano Manuel de Oliveira Lima, que doou os itens à universidade e morreu em 1928, em Washington. Além de obras literárias e acadêmicas sobre a história do Brasil, o acervo tem documentos inéditos, como panfletos distribuídos nos dias próximos ao 7 de setembro de 1822.

“A Independência foi 1 processo muito rico, que não se resume ao dia 7 e ao grito do imperador. Temos que avançar na historiografia, e para isso precisamos ir às fontes originais”, afirmou Rodrigues. O Senado planeja uma 1ª publicação sobre os panfletos.

A Câmara vem publicando livros desde 2017 em comemoração aos 200 anos de eventos importantes para a Independência, como a vinda de Maria Leopoldina e o retorno de José Bonifácio ao país. Segundo o deputado Enrico Misasi, em outubro, será lançado 1 volume sobre a Revolução do Porto, evento ocorrido em Portugal que foi decisivo para a Independência brasileira.

As publicações e eventos de lançamento têm participação de instituições como a Academia Brasileira de Letras, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Academia Brasileira de Ciências e museus, entre outros.

“É 1 momento de integrar governo, Congresso e instituições culturais. Eu esperaria do governo que ele tomasse a frente de comemorações a nível nacional mais robustas, com grandes eventos, patrocínio, porque ele tem mais condições [que o Congresso]”, disse o deputado à Folha.

“O importante é fazermos comemorações dignas da data, como foi o centenário (1922) e o sesquicentenário (1972), e não dá para improvisar, já passou da hora”, completou.

AÇÕES EM SÃO PAULO

Em São Paulo, às margens do Ipiranga, o Museu Paulista —fechado às pressas em 2013 por problemas de infraestrutura— passa por reforma que não parou apesar da pandemia. A conclusão é prevista para 2022.

Em vídeo, o museu afirma que a obra foi adaptada com medidas de segurança, como monitoramento diário da saúde dos trabalhadores, afastamento de pessoas em grupos de risco e escalonamento de horários de trabalho.

Além da restauração do edifício, a área do museu será praticamente duplicada. Segundo Eduardo Ferroni, arquiteto do escritório H+F, o prédio tombado tem cerca de 8.000 m2, aproximadamente a mesma área da ampliação. A ampliação vai criar um novo acesso ao prédio, no nível inferior e de frente para o jardim francês.

Além da reforma e da ampliação do museu, o governo de João Doria (PSDB) também promete universalizar o sistema de coleta e tratamento de esgoto da região do córrego Ipiranga e entregá-lo limpo até 2022.

As obras fazem parte do Projeto Tietê, que tem o objetivo de revitalizar o rio Tietê e seus afluentes. O córrego Ipiranga deságua no rio Tamanduateí, que segue até o Tietê.

Segundo Doria, para a reforma, conseguiu R$ 160 milhões em recursos do setor privado.

“As obras estão aceleradas e, em setembro de 2022, entregaremos o Novo Museu do Ipiranga restaurado e ampliado para a celebração dos 200 anos da nossa independência”, disse Doria no Twitter.


Com Agências