Operação em 11 estados investiga atuação de mulheres no PCC

Integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) que já estão presos e mulheres com cargos de chefia na organização criminosa foram os principais alvos da segunda fase da Operação Flashback nesta terça-feira (28).

Cerca de mil policiais federais, civis e militares de 11 estados brasileiros cumpriram 216 mandados de busca e apreensão, e de prisão contra integrantes da facção. Grande parte (98) só em Alagoas; o restante em Pernambuco, Ceará, Bahia, Sergipe, Paraíba, Piauí, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais.

A ação conjunta do Ministério da Justiça, Polícia Federal, Ministério Público e Secretaria de Segurança Pública de Alagoas investiga uma base do PCC no Mato Grosso do Sul. Do estado partiriam drogas para Alagoas e também ordens para execução de desafetos e rivais em todo o Brasil.

Nesta segunda fase da Operação Flashback, 40 mulheres investigadas por suspeita de integrar a facção criminosa foram alvos de mandados. Dessas, 18 pertenceriam a um núcleo conhecido como Damas do Crime. Segundo as investigações, elas comandariam até tribunais do crime, onde desafetos são condenados à morte. O coordenador da Divisão Especial de Investigação e Capturas de Alagoas, delegado Gustavo Henrique, detalha a atuação dessas mulheres.

Durante três meses de investigação, as forças de inteligência conseguiram identificar os integrantes do PCC responsáveis pela aquisição e transporte das drogas até Alagoas, e também os responsáveis pelo recebimento e distribuição dos entorpecentes até as bocas de fumo. Foram presas pessoas ligadas a essas funções dentro da facção criminosa em São Paulo, Minas Gerais e no Mato Grosso do Sul.