Micaela Góes, do ‘Santa ajuda’, lista dicas para deixar a organização da casa mais fácil na quarentena

Extra
Tamanho do texto A A A

“Organizar é o contrário de procrastinar.” A consultora em organização e apresentadora do “Santa Ajuda”, no GNT, Micaela Góes, vai direto ao ponto, quando o assunto é deixar a casa arrumada. Não existe fórmula mágica para isso, mas ela garante que dá para tornar tudo mais fácil. Quer ver só? Então confira as dicas listadas por ela:

Desconfortos

“Estamos ressignificando a nossa relação com a casa. Afinal, nunca estivemos tanto tempo dentro dela. Depois da empolgação inicial, de fazer e acontecer na arrumação, passamos a redescobrir tarefas domésticas que muita gente terceirizava. Agora, estamos num momento em que percebemos o que realmente valorizamos dentro do nosso lar e alguns desconfortos, como o fato de morar num lugar onde não bate sol. Estamos valorizando muito uma varanda e começamos a perceber se nosso sofá é confortável ou não.”

Novas funções

“Também há muitas pessoas descobrindo as funções da casa pela primeira vez. Gente que nunca lavou um banheiro ou não tinha se dado conta do consumo e de quantas vezes se troca o lixo. Para essa turma, uma coisa fundamental é criar uma rotina. Dá para limpar a casa às sextas-feiras, para garantir o descanso no fim de semana, e trocar o lençol a cada 15 dias, em vez de toda semana, diminuindo a lavagem de roupas.”

Gadgets

“Uma série de facilidades foi descoberta nos últimos meses, como os robozinhos que aspiram e aqueles esfregões que substituem o uso do pano de chão. Também houve quem investisse num regador adequado para as plantas. Mas o borrifador é o item mais solicitado, porque facilita muito a limpeza. Você pode colocar álcool, uma mistura de desinfetantes ou água para regar as plantas ali dentro. Da mesma forma que o consumo desses dispositivos aumentou, muita gente diminuiu a quantidade de enfeites em casa, para ter menos trabalho na hora da limpeza.”

Valorização

“Antes, quando terceirizávamos todas essas funções, não nos dávamos conta do quanto são trabalhosas. No Brasil, a gente vive uma coisa muito cultural de terceirizar os serviços. Acho que vamos valorizar muito mais os trabalhadores que, muitas vezes, deixam as suas casas para cuidar das nossas.”

Novos hábitos

“Tirar os sapatos antes de entrar em casa e lavar as mãos não nos protege apenas de um vírus específico, mas de várias outras doenças. Então, acho que vamos integrar esses hábitos de vez ao nosso cotidiano.”

Planejamento

“Se o trabalho doméstico for planejado, você dá conta de fazer tudo. Não há necessidade de lavar roupa todo dia, assim como é possível cozinhar uma quantidade de arroz e feijão maior para que durem dois dias.”

Louça suja

“Procrastinar é o contrário de organizar. Se você, durante o preparo dos alimentos, vai limpando as cosias, ao final do almoço, terá só os pratos para lavar. Otimizar a sua louça e não deixar acumular vai fazer toda a diferença. Lavar aos poucos, em doses homeopáticas, dói muito menos.”

Sem acumular

“Se não nos organizarmos, vira uma bola de neve. A gente tem que se sentir bem na nossa casa, e a arrumação não é para ser encarada como um castigo. Ao contrário disso, trata-se de uma ferramenta do nosso dia a dia. Não é para ter uma casa de revista de decoração, mas faça um pouco por vez. Quanto mais funcional for o seu lar, melhor você vai se sentir. A organização mexe com a pulsação da energia na sua casa e procrastinação significa energia parada. No momento em que o seu lar se tornou o lugar mais seguro do mundo, é preciso criar janelas de bem-estar dentro dele.”


Com Agências