Governo promove 2ª edição do Semana do Brasil para movimentar economia

O governo promove neste ano a 2ª edição do Semana do Brasil, evento realizado de 3 a 13 de setembro.

A ideia é aquecer o comércio em todo o país durante o feriado da Independência, em 7 de setembro –período que normalmente tem pouco apelo promocional.

A iniciante é articulada pela Secom (Secretaria de Comunicação) do governo federal, em parceria com o IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo). Tem como inspiração o varejo norte-americano, que costuma realizar promoções em feriados nacionais históricos.

O lema da Semana do Brasil neste ano é “Vamos em frente, com cuidado e confiança”, por causa da pandemia de covid-19.

Para a Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), a iniciativa pode minimizar os prejuízos causados pela crise econômica.

Alfredo Cotait Neto, presidente da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), estima aumento nas vendas de 10% a 15% em relação ao mês anterior. No ano passado, as vendas do varejo nacional saltaram 11,3% durante a comemoração.

No e-commerce, o resultado em 2019 também foi positivo. O faturamento do varejo online cresceu 41% de 6 a 15 de setembro de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo levantamento da Ebit/Nielsen.

A Fecomércio do Rio de Janeiro estima que, ao todo, a movimentação financeira na economia do Estado deve ser de, aproximadamente, R$ 3,9 bilhões. A cifra é maior do que em outras datas comemorativas, como o Dia das Mães (R$ 1 bilhão), Dia dos Pais (R$ 819 milhões) e Dia dos Namorados (R$ 788 milhões).

Mais de 100 instituições aderiram ao movimento. Entre as empresas estão Magazine Luiza, Extra, Casas Bahia, Americanas e Hering. Algumas companhias realizam descontos de até 70%.


Com Agências