Espanha supera 500 mil casos de covid na semana de volta às aulas

Funcionárias limpam refeitório de escola em Zaragoza antes da volta às aulas

Funcionárias limpam refeitório de escola em Zaragoza antes da volta às aulas

Toni Galán / EFE – 7.9.2020

Com um total de 525.549 casos de covid-19 desde o início da pandemia, um aumento de 26 mil desde sexta-feira passada, a Espanha inicia nesta semana um ano escolar atípico. com diversas precauções de saúde por conta do novo coronavírus e a incerteza sobre os efeitos da volta às aulas presenciais.

Leia também: Estudo alerta União Europeia sobre ‘segunda onda’ de covid-19

Mais de 8 milhões de alunos retornam às aulas nesta semana, após seis meses com as instituições de ensino fechadas, incluindo as férias de verão. Os cursos universitários serão retomados posteriormente.

“Muitas salas de aula do nosso país abrem as portas hoje. Com prudência e determinação, graças ao trabalho de meses. Não podemos perder uma geração que precisa ir à escola para ter um desenvolvimento normal de formação e emocional”, escreveu em redes sociais a ministra da Educação, Isabel Celaà.

Mas a abertura das instituições de ensino está marcada pelas precauções sanitárias em relação ao coronavírus Sars-Cov-2, motivo pelo qual os alunos, com máscaras e álcool, compareceram às aulas mantendo a distância de segurança e seguindo as recomendações dos pais e professores.

O número de professores deve ser aumentado para que as salas tenham menos alunos. Os governos regionais receberam 2 bilhões de euros do governo central para implementar essa ampliação.

Mais 40 mil professores

Em entrevista televisionada, o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, afirmou nesta segunda-feira que (7) não há “risco zero” nos colégios, mas que alunos e professores terão a garantia de estar em “instituições seguras”.

“Sem que exista risco zero, porque é claro que vamos ter casos de contágios, nossos filhos e filhas, professores, professoras e todos os profissionais que trabalham nas instituições de ensino terão a garantia de estar em instituições seguras”, declarou o governante.

Sánchez enalteceu o trabalho do setor educacional, das comunidades autônomas e do goveno para elaborar protocolos e destinar recursos econômicos extras para iniciar o ano letivo, ressaltando que haverá mais de 40 mil professores adicionais nas 28 mil instituições de ensino de toda a Espanha.

Esse reforço será muito importante para Madri. Entre 2 mil e 2,5 mil professores dessa região deram positivo para covid-19 em testes sorológicos e estão pendentes da realização de um exame de confirmação.

O impacto da volta às aulas

Em entrevista coletiva, o epidemiologista e porta-voz do governo para a pandemia, Fernando Simón, comentou nesta segunda-feira que o impacto da volta às aulas começará a ser visto no fim da semana que vem ou da seguinte, e alertou que “é preciso estar muito atento”.

A forma de atuação caso seja diagnosticado algum caso de covid-19 dentro de escolas, “inicialmente, será similar em todas as partes”, mas Simón não descartou o fechamento de colégios “em situações muito particulares”.

Entre os 525.549 casos de covid-19 já identificados na Espanha, 29.516 mortes foram contabilizadas, segundo dados oficiais divulgados pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira. Desde a sexta-feira passada, foram confirmados 26.560 novos casos, 2.440 nas últimas 24 horas.

Simón considera a situação atual “muito parecida” com a das semanas anteriores, ao avaliar que a evolução do vírus na Espanha continua sendo ascendente, embora varie entre as diferentes regiões e não seja comparável ao cenário de meses atrás, nos piores momentos da pandemia.


Com Agências