Empresas querem mais prazo para debater mercado livre do gás em SP

Agência afirma que consulta pública superou número de dias obrigatórios pela lei

Enquanto os debates sobre a nova lei do gás avançam no plano federal, associações que representam indústrias com alto consumo do combustível querem mais prazo para uma consulta pública da Arsesp (agência reguladora do setor de energia em SP) sobre o mercado livre de gás no estado.
As entidades reclamam que os 30 dias para sugestões, encerrados na segunda (7) são insuficientes para o debate de um assunto complexo e dizem que gostariam de apresentar estudo da FGV sobre o mercado.
A Arsesp afirma que o prazo concedido é o dobro do mínimo previsto em lei. A agência diz que segue cronograma estabelecido na Agenda Regulatória Biênio 2020/2021 e tem realizado seminários online sobre o tema. Também diz ter recebido pedidos de entidades empresariais para conclusão antecipada da regulação.

1 – Se as chamas do fogão estiverem amareladas ou alaranjadas, é sinal de que os bocais não estão funcionando bem, o que aumenta o gasto de gás. Nesse caso, é preciso ajustar o aparelho; o ideal é que as chamas sejam azuis


Com Agências