Diretora diz que fazer novo filme em meio a protestos em Hong Kong é um ‘esforço fantástico’

Ann Hui foi premiada no Festival de Cinema de Veneza nesta terça-feira (8)

Cineasta Ann Hui posa para fotos com o Leão de Ouro pelo conjunto da obra
Cineasta Ann Hui posa para fotos com o Leão de Ouro pelo conjunto da obra – Guglielmo Mangiapanea-8.set.2020/REUTERS

A diretora Ann Hui, 73, descreveu seu “esforço fantástico” para fazer o novo filme “Love After Love” enquanto protestos pró-democracia explodiam em Hong Kong e depois a pandemia global que praticamente interrompeu as viagens.

Hui recebeu o prêmio Leão de Ouro pelo conjunto de sua obra no Festival de Cinema de Veneza na terça-feira (8). Alberto Barbera, o diretor do festival, a chamou de “uma das diretoras mais respeitadas, prolíficas e versáteis da Ásia”.

Seu novo filme é uma história de amor tortuoso e depravação moral na alta sociedade de Hong Kong antes da Segunda Guerra Mundial. Baseado em um conto de Eileen Chang, é centrado em uma jovem estudante de Xangai que busca a ajuda de uma tia rica.

Ao mudar-se para a casa da ex-concubina temperamental e desiludida, ela é sugada para seu mundo de festas elegantes e relações ambíguas com homens ricos e mais velhos. Ela então se apaixona por um playboy problemático.

“Quando terminamos as filmagens, o movimento de protesto em Hong Kong começou… todos os dias ouvíamos gás lacrimogêneo e até podíamos sentir o cheiro, e eu tinha que voltar para casa todas as noites pelo metrô”, disse Hui.

Depois de cinco meses trabalhando em meio aos protestos, a pandemia complicou o trabalho de pós-produção, deixando a equipe dependente de reuniões por zoom. “Quase não conseguíamos nos reunir, e foi, como chamar isso? Esforço fantástico.”

“É uma espécie de exemplo comovente de como as pessoas do cinema trabalham independentemente do fogo cruzado e tudo, e nós tentamos nosso melhor para fazer o filme, apesar das grandes dificuldades.”


Com Agências