Agência BR - Carlos Alberto conta que preferiu Corinthians à Europa e explica briga com Tevez

Carlos Alberto conta que preferiu Corinthians à Europa e explica briga com Tevez

Esportes -

Carlos Alberto jogou dois anos no Corinthians, em 2005 e 2006. O volante chegou ao Corinthians badalado, como um dos grandes investimentos da MSI no clube, foi campeão brasileiro e colecionou polêmicas no Timão.

Titular no Porto que conquistou a Liga dos Campeões na temporada 2003/2004, Carlos Alberto explicou em entrevista ao UOL porque escolheu desembarcar no Timão ao invés de seguir no futebol europeu.

“Atualmente, você tem muitos gigantes, e você tem muitas equipes que têm parceiros financeiros. Mas eu vim para um gigante. Eu saí do Porto e vim pro Corinthians, que tinha a MSI. Só dessa forma que eu teria condições de voltar ao Brasil, porque me pagava até mais do que eu ganhava na Europa. Eu tive outras opções. Eu tive o Atlético de Madrid e o PSG, que não eram como hoje. Eu ia trocar o Porto por uma dessas equipes, na época. Mas eu não me arrependo das escolhas que eu fiz, não”, disse.

Carlos Alberto foi campeão brasileiro pelo Corinthians ao lado de Tevez Fernando Pilatos/Gazeta Press)

No ano do título brasileiro, a maior polêmica de Carlos Alberto foi a briga com o outro grande astro do elenco – Carlitos Tevez. O brasileiro e o argentino tiveram desavenças, mas conseguiram se entender dentro de campo.

“A gente até frequentava alguns ambientes juntos. Depois, essa relação começou a desgastar. Se deu num rachão. A gente teve uma discussão. A gente era moleque, também, tudo com 20 anos. Ele se destemperou e acabou me cuspindo, quase pega no meu rosto, pegou (no pescoço). Aí, nós fomos pra porrada”, lembrou o volante.

“Cada um tem as suas afinidades dentro de um grupo de trabalho, isso é normal. As pessoas, hoje em dia, deturpam muito essa situação. ‘Ah, o fulano não fala com sicrano’. Eu tomo cerveja, o cara bebe leite. Eu não sou obrigado a beber o leite dele. Eu gosto de ir pro pagode, o cara gosta de rock. Eu gosto de samba, o cara gosta de pop. São gostos e individualidades que a gente tem que respeitar”, defendeu.

“Eu lembro que no dia seguinte após essa briga teve um jogo. Todo mundo preocupado se ele ia passar a bola pra mim, se eu ia passar a bola pra ele, e a gente se entendeu muito bem dentro do campo, que é isso que o jogador de futebol tem que pensar. Tem que funcionar dentro do campo. Tanto que eu fiz um gol com passe dele”, completou Carlos Alberto.


Fonte: Com Agências

 


 Leitores On Line