Agência BR - Dólar tem apreciação de quase 10 centavos e encerra sequência de quedas

Dólar tem apreciação de quase 10 centavos e encerra sequência de quedas

Negócios -

O dólar fechou em alta contra a real no pregão desta segunda-feira, 13, e encerrou a sequência de quatro quedas consecutivas. No mercado de câmbio, o dia foi pautado pela permanência das incertezas sobre o acordo do petróleo e pelo pessimismo com os impactos do coronavírus nas empresas americanas, que começaram a divulgar o balanço do primeiro trimestre nesta semana. O dólar comercial subiu 1,9% e encerrou cotado a 5,186 reais, enquanto o dólar turismo avançou 0,2%, a 5,39 reais. 

No cenário externo, os investidores seguem atentos aos desdobramentos da última reunião do Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+), realizada no domingo. Até então, o mercado tinha como certo que que os países que integram o grupo acordado um corte de 9,7 milhões de barris – quantia vista como insuficiente para elevar o preço da commodity em meio à queda da demanda. 

Porém, nesta manhã o presidente Donald Trump afirmou, pelo Twitter, que o corte seria de 20 milhões de barris. Mesmo assim, o mercado não se animou e o petróleo futuro operava em queda, neste fim de tarde. 

Having been involved in the negotiations, to put it mildly, the number that OPEC+ is looking to cut is 20 Million Barrels a day, not the 10 Million that is generally being reported. If anything near this happens, and the World gets back to business from the Covid 19.....

A maior aversão a risco no mundo também foi impulsionada pela tensão antes dos balanços das principais companhias dos EUA. “Mesmo com todas as ajudas do governo americano, ainda não se sabe o real impacto do coronavírus nas empresas”, disse Vanei Nagem, analista de câmbio da Terra Investimentos. 

No mundo, o dólar ganhou força contra a maioria das divisas de países emergentes. No entanto, o real se desvalorizou mais frente ao dólar do que o peso mexicano, a lira turca e a rúpia indiana. Por aqui, também esteve no radar a projeção do Banco Mundial, que espera que o Produto Interno Bruto brasileiro tenha contração de 5% em 2020. 

Segundo Nagem, a expectativa de que o Plano Manuseto seja muito desidratado até ser aprovado na Câmara e as preocupações em torno do avanço do coronavírus no país também pesaram.

O dólar vinha perdendo forças no mundo, conforme o avanço do coronavírus se desacelerava na Europa. Na última sessão, o moeda americana fechou em baixa de 1%, a 5,09 reais. A queda poderia ter sido maior, se o pessimismo em torno do petróleo não reduzisse a queda. Na mínima a moeda tocou a casa dos 5,05 reais. Na semana, o dólar se desvalorizou 4,42%. Caso encerre em alta nesta sessão, será o fim da sequência de quatro quedas consecutivas.


Fonte: Com Agências

 


 Leitores On Line