‘Se Pyongyang não existisse, EUA inventariam outra coisa para conter a Rússia’

Segundo o ministro sul-coreano das Relações Exteriores, Yun Byung-se, a decisão de instalar o sistema THAAD está relacionado exclusivamente com o reforço do poder nuclear da Coreia do Norte.Líder norte-coreano Kim Jong Un em Pyongyang (dezembro de 2015)
© REUTERS/ KCNA
Coreia do Norte tratará EUA ‘conforme as leis da guerra’

Entretanto, na opinião do chefe do Centro de Estudos Coreanos do Instituto de Extremo Oriente (Academia de Ciências da Rússia), Aleksandr Zhebin, o sistema de defesa antimíssil na Coreia do Sul e os testes nucleares no Norte não estão relacionados de modo nenhum.

“A instalação do sistema de defesa antimíssil no território de Coreia do Sul foi elaborado por norte-americanos tendo em conta o seu projeto global em relação à Rússia e à China – neutralizar os meios nucleares de contenção destes dois países. A Coreia do Norte tornou-se um pretexto conveniente que justifica a instalação do sistema de defesa antimíssil. Se não existisse a Coreia do Norte os norte-americanos inventariam algo mais, como a atual situação na Europa prova bem. Ali por muito tempo o pretexto principal para instalar este sistema foi o programa nuclear iraniano. Quando, afinal de contas, o assunto iraniano foi fechado, os norte-americanos continuaram a realizar os seus planos”, disse Zhebin.

Dois sistemas de THAAD são lançados durante um teste de interceptação bem sucedido.
© FLICKR.COM/ AGÊNCIA DE DEFESA CONTRA MÍSSEIS (ADM) DOS EUA
Sistema de defesa antimíssil na Coreia do Sul não é direcionado contra China ou Rússia

Na opinião do especialista, a alternativa para a Rússia hoje são a Coreia do Norte com armas nucleares na fronteira russa ou tropas americanas com armas nucleares e sistema de defesa antimíssil.

“É preciso ponderar o que é melhor para a Rússia. Na minha opinião, a primeira variante é melhor para a segurança da Rússia do que a presença <…> da DAM norte-americana. Isso acontecerá, sem dúvida, caso a Coreia seja reunificada sob as condições dos EUA e da Coreia do Sul”, disse.

Zhebin frisou que a estrutura militar da OTAN na Europa já está perigosamente perto da fronteira russa. A mesma coisa acontecerá na Ásia se o colapso da Coreia do Norte ocorrer.

Um militar norte-coreano usa um binóculo
© AP PHOTO/ LEE JIN-MAN
Coreia do Norte progride no lançamento de mísseis a partir de submarinos

A hipótese de instalação de sistema DAM provoca preocupações na sociedade, porque coloca a questão dos danos em caso de um conflito armado. O especialista russo disse que a Coreia do Sul também compreende a situação.

Soldados sul-coreanos e norte-americanos durante exercícios conjuntos na cidade de Pohang, Coreia do Sul, 6 de julho de 2016“Os sul-coreanos compreendem-no bem mas este país não tem plena soberania. São os generais norte-americanos que comandam as Forças Armadas da Coreia do Sul. E, em tempo de guerra, o comando das tropas sul-coreanas passa de modo automático não para o presidente da Coreia do Sul mas para os comandantes dos EUA deslocados na Coreia do Sul”.

A elite sul-coreana não possui vontade política e não é capaz de agir de modo independente.

É pouco provável que o sonho norte-americano de unir as duas Coreias seja realizado no futuro próximo porque as ações dos EUA não levam ao diálogo pacífico mas geram ainda mais tensões na região.

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com