Santos Cruz diz que reuniões ministeriais são para “arrumar estrutura"

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, disse hoje (15) que as reuniões ministeriais, como a terceira que ocorreu nesta terça-feira, servem para “arrumar a estrutura”. O general fez a afirmação após a cerimônia de troca da guarda presidencial, que contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto.

Brasília - O secretário nacional de Segurança Pública, general Carlos Alberto Santos Cruz, durante reunião com secretários de Segurança Pública dos estados (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz – Arquivo/Agência Brasil

“O objetivo nessa fase inicial é arrumar a estrutura, fazer substituição de algumas pessoas. Trabalho normal”, afirmou o ministro. “O que acontece nessas reuniões é que você tem 22 ministérios. É dada a oportunidade ao menos para um mostrar o ministério dele, e os outros tomarem conhecimento”, acrescentou Santos Cruz.

Ele disse que hoje a apresentação coube ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Segundo Santos Cruz, o ministro Sergio Moro falou sobre os problemas que existem e explicou a constituição do ministério.

De acordo com a Presidência da República, essas reuniões são promovidas com o objetivo de definir ações, planos e metas para os 100 primeiros dias do governo Bolsonaro.

Solenidade

O presidente da República, Jair Bolsonaro, durante Cerimônia da troca da guarda presidencial do Palácio do Planalto.

O presidente Jair Bolsonaro participa da troca da guarda presidencial no Palácio do Planalto. – Carolina Antunes/PR

Bolsonaro participou da cerimônia da troca de guarda dos palácios do Planalto, Alvorada e Jaburu e da Granja do Torto. Pela tradição, a troca, a cada seis meses, funciona em sistema de revezamento entre o Batalhão da Guarda Presidencial e o 1º Regimento de Cavalaria de Guardas, mais conhecido como Dragões da Independência.

Nesta terça-feira os Dragões da Independência assumiram a guarda presidencial. A cerimônia foi rápida e também contou com a presença do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, dos ministros Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), e Gustavo Bebianno, chefe da Secretaria-Geral, além do secretário de Assuntos Especiais, Maynard Santa Rosa, e do ministro Santos Cruz.