Produção brasileira de café bate novo recorde

24 de dezembro de 2016

A produção brasileira de café atingiu 51,37 milhões de sacas de 60 quilos do produto beneficiado  em 2016, somados os tipos arábica e conillon. Os números referem-se ao quarto e último levantamento da atual safra e foi divulgado ontem pela Conab-Companhia Nacional de Abastecimento.

Segundo o estudo, o volume representa um acréscimo de 18,8%, comparado com a produção de 43,24 milhões de sacas obtidas no ciclo anterior e representa um recorde histórico. A maior safra até hoje havia sido registrada em 2014 com 50,8 milhões de sacas
A área total plantada no país teve leve redução, com decréscimo de 1,1% em relação à 2015, totalizando 2,22 milhões de hectares.

No entanto, houve ganho significativo de produtividade. A média de 26,33 sc/ha é 17,1% superior à da safra passada. As condições climáticas favoráveis nas principais regiões produtoras do tipo arábica, aliadas ao ciclo de bienalidade positiva, favoreceram as lavouras e justificam os ganhos de produtividade na maioria dos estados. Os maiores ganhos são observados em São Paulo, com 46,7%, Mato Grosso, com 39,4% e Minas Gerais, com 32,2%.

O café arábica ainda domina as lavouras de café no país. Representa 84,4% da produção total do grão com uma produção de 43,38 milhões sacas.

O resultado demonstra um crescimento de 35,4% em relação à safra anterior e se justifica pelo aumento de 46 mil hectares da área em produção, incluindo a incorporação de novas áreas que se encontravam em formação e renovação, além das condições climáticas mais favoráveis.

A produção do tipo conilon, que representa 15,6% do total de café do país, está estimada em 7,98 milhões de sacas, com redução de 28,6% na comparação com a safra passada.

Nesse caso, houve diminuição de 4% na área em produção e problemas climáticos pontuais, como seca e má distribuição de chuvas por dois anos consecutivos no Espírito Santo, maior produtor de café conilon no país. Em Rondônia e na Bahia, também produtores da espécie, ocorreu estiagem nas fases críticas das lavouras.

Bahia se destaca como 4º maior produtor nacional

Segundo a Assocafé-Associação dos Produtores de Café da Bahia, o estado é o quarto maior produtor de café do Brasil, responsável por 5% da produção nacional.

Grande parte de suas plantações surgiu a partir da década de 70, e por isso é considerada uma área de cultivo relativamente nova. A região do planalto é a área mais tradicional e a região do cerrado utiliza alta tecnologia para produção. Os principais municípios produtores são Piatã, Vitória da Conquista, Brejões, Luis Eduardo Magalhães, Barreiras e Poções.

Clima tropical, solo bem drenado e pivô de irrigação são alguns pontos que permitem o café ser plantado em áreas de pouca chuva no caso do Oeste da Bahia. Grande parte da plantação de café desta região é irrigada por poços e as chuvas recarregam com abundância o subsolo de água.

No Oeste, onde predomina a vegetação de cerrado, cidades como Barreiras e Luís Eduardo Magalhães são caracterizadas pela produção de cafés com menor acidez. As lavouras desta região são 100% irrigadas e, por isso, a produtividade é das mais altas do país. A cafeicultura desta área tem bastante força, com mais de 12,5 mil hectares, registra níveis de produtividade em lavouras de 24 meses, de sacas de 60 Kg beneficiadas, por hectare.

 A cafeicultura da Bahia conta com excelentes vantagens competitivas para conquista de mercados mais exigentes e se destaca pela participação com cafés de alta qualidade, que são cada vez mais procurados e valorizados, notadamente os produzidos na Chapada Diamantina. É de Ibicoara, por exemplo, o café consumido no Vaticano.
 

Leia também...

Loading...
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com