Palocci pagou marqueteiro de Dilma com propina da Odebrecht

A Polícia Federal afirma que o ex-ministro Antonio Palocci pagou o marqueteiro João Santana com US$ 11,7 milhões em propina supostamente recebida da empreiteira Odebrecht.

O dinheiro ilícito, segundo a PF, bancou despesas da campanha presidencial de 2010, quando a petista Dilma Rousseff foi eleita pela primeira vez.As informações constam do extenso pedido de prisão preventiva que a PF apresentou à Justiça Federal contra o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil nos governos Lula e Dilma.

Nesta sexta-feira, 30, o juiz Sérgio Moro decretou a custódia preventiva de Palocci por “risco à ordem pública” e para “aplicação da lei penal”.

”Conforme já demonstrado, o pagamento, travestido de remuneração pelos serviços publicitários de João Cerqueira de Santana Filho e Mônica Regina Cunha Moura (mulher de Santana) ao Partido dos Trabalhadores na campanha presidencial de 2010, consistia em consumação das vantagens indevidas concedidas pela Odebrecht em favor de Antonio Palocci Filho e do grupo político que este representava”, diz o documento, subscrito pelo delegado Filipe Hille Pace, que comanda a Operação Omertà, 35.ª fase da Lava Jato.Palocci foi preso em caráter temporário na Omertà na segunda-feira, 26, por suspeita de captação de R$ 128 milhões em propinas da Odebrecht. O ex-ministro nega.

A suspeita da PF tem base na planilha “Posição Italiano” apreendida no Setor de Operações Estruturadas, por meio do qual a Odebrecht teria montado sólida rede de distribuição de propinas para políticos e agentes públicos.


Outros destaques: