Maia defende Câmara ‘independente’; Rosso quer ‘grandes temas’ na Casa

Antes do início do segundo turno da eleição para a presidência da Câmara, os deputados federais Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Rogério Rosso (PSD-DF) fizeram breves discursos na noite desta quarta-feira (13) para pedir apoio. No primeiro turno, Maia obteve 120 votos, ante 106 de Rosso. O parlamentar eleito irá suceder a Eduardo Cunha no posto e ocupará o cargo até fevereiro de 2017.

Da tribuna, Maia defendeu um Legislativo forte e independente. “Se eu sentar naquela cadeira, eu vou ser um de 513. Nós vamos governar essa Casa juntos, nós vamos devolver ao plenário a sua soberania”, afirmou sob aplausos de grande parte do plenário.

O deputado do DEM também afirmou que pretende dar mais espaço a todos os parlamentares e não apenas aos líderes, que representam as suas bancadas e, normalmente, são os que falam em plenário.

“Vamos trabalhar para acabar com o império dos líderes. Eles são fundamentais, mas não são os únicos que têm direito a palavra. Cada um de nós terá o direito de usar esse microfone, disse.

Ao encerrar o discurso, Rodrigo Maia destacou a experiência como deputado federal, por possuir cinco mandatos. Rogério Rosso está no primeiro mandato.

“O Brasil só vai superar a crise se a Câmara superar sua crise. Temos dois bons candidatos, cada um tem sua história. Eu tenho cinco mandatos de deputado federal. Liderei meu partido, presidi meu partido, travei debates importantes”, afirmou.

Antes de iniciar seu discurso, Rogério Rosso pediu que Rodrigo Maia subisse na tribuna para que se abraçassem, em sinal de harmonia. O deputado do DEM subiu e cumprimentou o adversário. O gesto foi aplaudido pelo plenário.

Rosso afirmou que quem ocupar o posto de comando da Câmara deverá representar todos os 513 deputados.

“Independente do jogo político, do embate, das disputas, tem que prevalecer sempre o bom combate. O que no futebol chamamos de fair play. É claro que quem senta naquela cadeira não é a pessoa, somos todos nós. Qualquer um que ali ficar precisa ter a dignidade e honradez de representar os milhões de brasileiros, representados pelos 513 deputados”, disse.

O deputado do PSD também defendeu que a Câmara enfrente “grandes temas”, para que o Brasil retome o crescimento econômico.

“É um misto de ansiedade, mas de convicção de que somos nós, esse Parlamento, que vai virar o jogo e enfrentar os grandes temas nacionais, que vai enfrentar as reformas estruturantes que sabemos que o Brasil precisa. Há dez anos atrás o brasil ocupava a oitava, nona posição, no ranking de exportadores. Agora não estamos entre os 20”, afirmou.

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com