Luiz Gustavo Borges sonha com revezamento que deu bronze ao pai

Com 20 anos hoje, Luiz Gustavo Borges, filho do nadador Gustavo Borges, era novo demais para entender a última medalha olímpica de seu pai, o bronze no revezamento 4×100 metros livre dos Jogos de Sidney, nos anos 2000. As histórias em torno dessa medalha, no entanto, fizeram parte de sua infância e adolescência na natação e hoje impulsionam seu sonho de representar o Brasil nesse mesmo revezamento nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano que vem.

Em meio a essa preparação, o nadador poderá sentir o gosto de ser um dos quatro nadadores do 4×100 no mês que vem, na Universíade de Nápoles, na Itália. Conhecida como olimpíada universitária, a Universíade é a segunda maior competição poliesportiva do mundo e, além de reunir milhares de atletas de diferentes países, tem outras semelhanças com a Olimpíada como o alojamento em uma Vila dos Atletas, a cerimônia de abertura com desfile das delegações e o tão sonhado pódio com os degraus de bronze, prata e ouro.

“Meu foco são as competições desse verão, a Universíade e, depois, o ciclo para Tóquio. A minha meta é ir para Tóquio nadar para representar o Brasil”, diz Luiz Gustavo, que tem a medalha do pai no revezamento como uma de suas maiores inspirações. “Essa medalha mostra que o Brasil em um revezamento consegue estar entre os melhores. É uma inspiração para a galera de hoje em dia e há vários atletas de 100 livre no Brasil que são muito bons. Meu sonho é estar nesse revezamento em Tóquio”. 

Apesar disso, o atleta considera que sua prova mais forte é a de 50 metros nado livre, vaga concorrida na natação brasileira. “Eu tenho adversários no Brasil de nível mundial. São pessoas que conheço e treino junto no [clube] Pinheiros. Estou treinando, fazendo o que preciso fazer e pensando no meu dia a dia”.  

Convocado pela Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU), Luiz Gustavo também vai para a Universíade disputar os 50 livre, prova em que foi semifinalista no Mundial Júnior de 2017. “Era uma competição só de natação. Agora na Universíade, vai ser uma atmosfera totalmente diferente. Tem uma vila, atletas de outras modalidades. Com certeza é uma boa preparação para Tóquio”.

Além dos técnicos que o acompanham na universidade e no clube, Luiz Gustavo conta com dicas do pai e o suporte da mãe, a também ex-nadadora Barbara Borges. “Quase todo sábado e domingo, a gente entrava na água juntos e meu pai me dava conselhos. Minha mãe me ajuda mais com a parte mental. Ela hoje é professora de yoga e meditação”.

Morando nos Estados Unidos (EUA), ele vai ter a oportunidade de encontrar a família no Brasil no dia 26, quando retorna para casa antes de seguir para a Itália, onde a Universíade será realizada de 3 a 14 de julho.

O nadador cursa administração na Universidade de Michigan, nos EUA, a mesma em que seu pai se formou em economia, também como atleta-universitário. Por meio do esporte, Luiz Gustavo Borges conseguiu uma bolsa parcial para estudar na universidade americana, onde tem que cumprir 20 horas semanais de treino e mais 20 horas de aula. O tempo que sobra é para estudar.

Morando em uma região que chega a registrar temperaturas de 20 graus negativas, ficar em casa estudando, ou na piscina treinando, muitas vezes significa abdicar dos poucos dias de sol e calor durante o ano.

“Aqui não tem lugar para você não se esforçar e trabalhar duro”, resume ele, acrescentando que o esporte ajuda a reforçar sua dedicação aos estudos. “A natação me ensinou que quando você põe seu esforço em algo, você consegue atingir muito mais do que pensava que conseguiria. Quando vou para a aula, não penso que não sou um cara de matemática ou de finanças, penso que se eu me esforçar, vou melhorar”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.