Justiça: vingança de Débora contra estuprador é comemorada

O final da terceira história de 'Justiça', exibido na noite desta última quinta-feira (22), fez jus ao nome da trama. A série deixou de focar na personagem Rose (Jessica Ellen), que é negra e injustamente foi presa por sete anos, mas teve um final um feliz ao lado de Celso (Vladimir Brichita), para mostrar o desfecho da história de sua amiga Débora (Luisa Arraes).

Estuprada e agredida, Débora ficou sem poder ter filhos e lutou por toda a série para achar o estuprador e fazer justiça, pois não se conformou com a impunidade. A polícia nunca correu atrás de resolver o caso e prender o criminoso.

A professora resolve ir atrás do estuprador acompanhada de dois capangas de Celso e fazer justiça com as próprias mãos. Mesmo debilitado após ser surrado pelos capangas, o criminoso insulta e promete estuprá-la novamente quando sair da cadeia. É quando ela então se revolta, em conseqüência de toda ira e trauma que ele causou, e aplica vários golpes com uma barra de ferro no agressor, até sua morte. 

A história levantou debates sobre a similaridade entre ficção e realidade vivida pelas mulheres brasileiras e pernambucanos, já que as gravações ocorreram no Estado. Há semlhanças em casos freqüentes de estupros e alguns criminosos capturados, bem como o posicionamento do poder público relacionado à segurança.

Na internet, o final de Débora na trama dividiu opiniões, mas foi de unanimidade com relação à “justiça” por ela cometida: “O Semblante de quem fez Justiça, num país omisso para crimes de violência contra a mulher!”, disse um telespectador.

A minissérie de Manuela Dias chega ao fim nesta sexta-feira (23), com o desfecho da trama de Maurício, personagem de Cauã Reymond.


Outros destaques: