Imbassahy quer Neto disputando o governo

Embora o prefeito ACM Neto (DEM) evite comentar a possibilidade de uma candidatura ao governo da Bahia em 2018, aliados do democrata já falam sobre o assunto de forma desimpedida.

O deputado federal Antônio Imbassahy (PSDB) mostrou-se otimista na ascensão do DEM ao Palácio de Ondina. “Ele foi reeleito merecidamente porque fez uma administração extraordinária. Foi uma vitória consagradora que repercutiu no país. Acho que ele vai continuar se dedicando à administração como se dedicou, vai fazer novas intervenções como a população espera, e com isso ele é um forte candidato a governador, mas tudo isso é com o tempo”, declarou em entrevista à rádio Metrópole na manhã de ontem.

Na avaliação do tucano, Neto tem despontado “como um grande líder na Bahia”, o que confirmaria a sua robustez política para entrar no pleito. “É aguardar. Ele vai cumprir as tarefas dele, depois, o futuro vai dizer. Tem que ter cautela, serenidade. Ele se apresenta neste momento em uma perspectiva muito boa para o governo”, prosseguiu. No início do mês, o tucano já havia mencionado uma possível participação do PSDB no próximo mandato do aliado.

“O PSDB confia plenamente na capacidade administrativa e política do prefeito ACM Neto, que realizou uma notável administração e teve merecidamente uma reeleição que foi festejada em todo o país”, disse.

Imbassahy também falou o que espera do cenário político nacional nos próximos dois anos, deixando claro que não vislumbra o retorno do ex-presidente Lula. “Não acredito, não. Desgraçadamente, Lula atravessa um momento constrangedor. Réu de processos na Justiça. Isso é muito ruim para o país. Ninguém gostaria de ter um presidente nessa situação. A responsabilidade é dele”, disse, acrescentando que não se convence com os resultados das pesquisas. “Essas pesquisas que você faz de simulação, você percebe que o PT voltou para aquele limite que tinha anteriormente, a primeira eleição do Lula, tinha votação, mas não era suficiente”, ponderou.

Ainda de acordo com o tucano, os problemas da gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, aliados aos recentes escândalos de corrupção envolvendo o PT, colocaram o partido em descrédito. Imbassahy também acredita que o país vai demorar um tempo para se recuperar. “Vamos ter dificuldade porque o rombo que o PT deixou é extraordinário: R$ 170 bilhões, só este ano. Tudo isso a gente vai recuperando, mas vai demorar tempo”.

Democrata sinaliza planos para 2018

No início do mês, logo após ser reeleito, ACM Neto (DEM) não descartou que tenha ambições políticas para 2018, mas se mostrou irredutível no que se refere a comentar o assunto. “Jamais vão ver de mim uma posição de incoerência. Agora que passou a eleição eu poderia estar aqui falando em 2018, mas não farei isso. Sou responsável. Outra que quem recebe 74% dos votos tem que entender que agora é só pensar em trabalhar. Saímos vitoriosos ontem em Salvador e em outras cidades”, argumentou.

Neto também não comentou os rumores de que seria cotado para ser vice de Geraldo Alckmin (PSDB) na disputa presidencial. Na avaliação do demista, foi a oposição quem gerou o burburinho em torno de sua suposta candidatura nas próximas eleições. “Isso está mais na cabeça dos meus adversários. Infelizmente, o próprio governador, quando assumiu o governo, tomou decisões que começaram a sinalizar isso e a me escolher como adversário. Quero dizer claramente que não sou adversário de ninguém. Disputei uma eleição e ela acabou ontem. Estou dizendo que não é o momento, que não tratarei de 2018 agora”. 


Outros destaques: