Hamilton vence no México e reduz a distância que o separa de Rosberg

O inglês Lewis Hamilton não deu chances ao companheiro de Mercedes, o alemão Nico Rosberg, e conquistou uma tranquila vitória no GP do México de Fórmula 1 neste domingo. O tricampeão mundial deu um susto logo na largada ao travar os pneus e cortar pela grama, mas conseguiu se manter na ponta e fez uma tranquila prova até a bandeirada final.

O triunfo encurtou a distância para o rival alemão para 19 pontos (349 a 330) na disputa pelo título da temporada. No entanto, a situação de Nico Rosberg ainda é confortável e a conquista inédita da carreira por vir no GP do Brasil, daqui duas semanas. É só vencer para não depender do resultado de Lewis Hamilton.

No México, o inglês chegou a 51 vitórias, igualando o tricampeão francês Alain Prost e agora é o segundo maior vencedor de corridas da Fórmula 1. Os dois só perdem para o alemão Michael Schumacher, que tem 91.

A principal briga da prova ficou pela terceira colocação. A três voltas do final, o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, foi para cima do holandês Max Verstappen, que errou na curva e cortou caminho pela grama. O piloto da Red Bull claramente se aproveitou da saída da pista para se manter em terceiro lugar.

A direção de prova optou por analisar o caso após a corrida e puniu Verstappen, que já estava pronto para ir ao pódio, com cinco segundos. Com isso, caiu para a quinta colocação. Sebastian Vettel foi conduzido ao pódio e o australiano Daniel Ricciardo, companheiro de equipe do holandês, ficou na quarta posição.

O sexto lugar ficou com o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, com o alemão Nico Hulkenberg, da Force India, em sétimo. O também finlandês Valtteri Bottas terminou em oitavo, à frente de Felipe Massa, seu companheiro de Williams, o nono. O brasileiro conseguiu segurar as investidas do mexicano Sérgio Perez, que completou o Top 10 com sua Force India. Felipe Nasr, que largou em 19.º, conseguiu terminar em 15.º.

A corrida 

Com muita dificuldade, Lewis Hamilton conseguiu manter a liderança após a largada. Ameaçado por Nico Rosberg, ele fritou o pneu dianteiro da direita e passou reto na curva atravessando pela grama, mas retornou para a pista na primeira colocação.

Nico Rosberg chegou a tocar roda com roda com Max Verstappen, também foi para a grama, mas seguiu na segunda colocação. No pelotão de trás, o mexicano Esteban Gutierrez, da Haas, tocou no alemão Pascal Wehrlein, da Manor, que bateu no sueco Marcus Ericsson, da Sauber. Wehrlein não conseguiu voltar e abandonou a prova, causando a primeira bandeira amarela.

Os brasileiros tiveram uma boa largada. Felipe Massa, que largou com pneus supermacios, saltou da nona para a sexta colocação, enquanto que Felipe Nasr foi de 19.º para 15.º. Massa, inclusive, conseguiu segurar Sebastian Vettel, que passou a pressioná-lo, e só deixou o sexto lugar na 15.ª volta porque parou nos boxes para colocar pneus médios. Voltou em 13.º.

Enquanto isso, na primeira colocação, Lewis Hamilton passou a abrir distância para Nico Rosberg e já tinha 5,2 segundos de vantagem na ponta. O inglês fez a primeira parada na 17.ª volta e trocou os pneus macios da largada por médios. Voltou na quarta colocação, atrás de Sebastian Vettel, e Rosberg assumiu a ponta provisória.

O alemão da Mercedes parou na volta 20 e voltou atrás do companheiro de equipe, na terceira posição, mas à frente dos dois carros da Red Bull. Max Verstappen era o quarto colocado, com Daniel Ricciardo em quinto, enquanto que Sebastian Vettel liderava ainda sem ir ao pit stop.

O piloto da Ferrari, que largou com pneus médios, só foi parar nos boxes após 32 voltas – havia dado mais três com os mesmos pneus no classificatório. A Pirelli recomendava o máximo de 30 voltas com o pneu. Sebastian Vettel voltou novamente com médios com a estratégia de fazer apenas uma parada.

Com isso, Lewis Hamilton voltou à ponta, 4,8 segundos à frente de Nico Rosberg e Max Verstappen, em terceiro, começando a chegar no alemão. A principal disputa na prova era pela nona colocação. Felipe Massa, mais lento, conseguia segurar as investidas do local Sergio Perez, que se arriscava embalado pelos torcedores da arquibancada. Felipe Nasr era o 11.º ainda sem paradas.

Na volta 50, Max Verstappen foi com tudo para cima de Nico Rosberg, chegou a ultrapassá-lo, mas travou os pneus na curva e perdeu novamente a posição. Na sequência, Felipe Nasr fez a sua primeira parada e voltou com pneus supermacios, em 16.º.

Na parte final, a polêmica da corrida. Sebastian Vettel tentou ultrapassar Max Verstappen, que travou pneus e se manteve em terceiro por ter cortado caminho pela grama. Após a corrida, foi punido com a perda de cinco segundos e terminou em quinto lugar. Longe das confusões, Lewis Hamilton recebeu a bandeirada final, com Nico Rosberg na segunda colocação. Felipe Massa terminou em nono e Felipe Nasr, em 15.º.

Confira a classificação final do GP do México:

1.º – Lewis Hamilton (ING/Mercedes) – em 1h40min31s402, após 71 voltas
2.º – Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – a 8s354
3.º – Sebastian Vettel (ALE/Ferrari) – a 17s313
4.º – Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull) – a 20s858
5.º – Max Verstappen (HOL/Red Bull) – a 21s323
6.º – Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) – a 49s376
7.º – Nico Hulkenberg (ALE/Force India) – a 58s891
8.º – Valtteri Bottas (FIN/Williams) – a 1min05s612
9.º – Felipe Massa (BRA/Williams) – a 1min16s206
10.º – Sergio Perez (MEX/Force India) – a 1min16s798
11.º – Marcus Ericsson (SUE/Sauber) – a 1 volta
12.º – Jenson Button (ING/McLaren) – a 1 volta
13.º – Fernando Alonso (ESP/McLaren) – a 1 volta
14.º – Jolyon Palmer (ING/Renault) – a 1 volta
15.º – Felipe Nasr (BRA/Sauber) – a 1 volta
16.º – Carlos Sainz Jr (ESP/Toro Rosso) – a 1 volta
17.º – Kevin Magnussen (DIN/Renault) – a 1 volta
18.º – Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso) – a 1 volta
19.º – Esteban Gutierrez (MEX/Haas) – a 1 volta
20.º – Romain Grosjean (FRA/Haas) – a 1 volta
21.º – Esteban Ocon (FRA/Manor) – a 2 voltas

Não completou a prova:
Pascal Wehrlein (ALE/Manor)

Cena inusitada

O GP do México, neste domingo, reservou para o final uma cena inusitada na Fórmula 1. O holandês Max Verstappen terminou a prova na terceira colocação e se dirigiu ao pódio ao lado dos pilotos da Mercedes, o inglês Lewis Hamilton e o alemão Nico Rosberg. No entanto, a direção de prova optou por punir o jovem da Red Bull, que precisou deixar a sala de espera. Em seu lugar, veio o alemão Sebastian Vettel, que já havia estacionado a sua Ferrari nos boxes e foi correndo receber o troféu da terceira colocação.

O motivo de toda a polêmica aconteceu a três voltas do fim, quando Max Verstappen passou a ser pressionado por Sebastian Vettel. Na tentativa de evitar a ultrapassagem, o holandês fritou os pneus antes da curva e passou reto pela grama encurtando caminho. Com isso, conseguiu se manter em terceiro.

A direção de prova optou por dar a punição após o término da corrida e deu margem para uma breve discussão entre os pilotos. Max Verstappen cruzou a linha de chegada e levantou o braço para comemorar. Sebastian Vettel emparelhou o carro e, com o indicador levantado, sinalizou que o holandês não havia ganhado

"Estava muito decepcionado quando cruzei a linha de chegada… Mas que reviravolta. Agora estou aqui em cima na frente de todos esses caras. É incrível", comentou Sebastian Vettel no pódio. "É claro que Verstappen saiu da pista e não me deu a posição. A adrenalina estava demais naquele momento. Você pode entender o motivo de eu estar tão irritado", completou.

Max Verstappen, que perdeu cinco segundos e terminou a prova na quinta colocação, se mostrou indignado com a decisão. Na opinião dele, a sua manobra foi semelhante a do vencedor Lewis Hamilton – logo após a largada, o inglês travou os pneus na curva 1, cortou caminho pela grama e se manteve na primeira colocação. "Lewis escapou e ganhou uma boa vantagem. Nico (Rosberg) também escapou para a grama para não bater em mim e levou vantagem. Comigo foi diferente, eu não tive vantagem. Estava na frente quando escapei e voltei na mesma posição. É ridículo", comentou

Mais polêmica

Sebastian Vettel se envolveu em outra polêmica logo na sequência com o outro piloto da Red Bull, Daniel Ricciardo. Após não conseguir a ultrapassagem em Max Verstappen, o alemão passou a ser pressionado pelo australiano. Para não perder a quarta colocação, o piloto da Ferrari freou demais na curva e deu uma fechada em Ricciardo. A direção de prova entendeu que a manobra foi normal e não puniu Vettel para indignação do australiano.

"Sinto que Seb fez aquilo que todos estão reclamando, de fechar enquanto freia", comentou. "Ele está sorrindo agora. Mas para mim ele não merecia estar no pódio com o que fez. Entendo que ele abriu a porta, consegui colocar o carro por dentro. Ele tentou fechar novamente e no final não tinha para onde ir", emendou.

Daniel Ricciardo ainda questionou a escapada de Lewis Hamilton. "Também não entendi o início. Como se pode continuar na liderança, depois de travar os freios, sair da pista e voltar na frente? Acho que merecia uma punição", finalizou.


Outros destaques: