Em Salvador, candidatos priorizam setor da educação

A partir de hoje, a Tribuna começa a veicular uma série especial com as principais propostas dos candidatos à prefeitura de Salvador, iniciando com uma das áreas mais importantes: a educação.

Com exceção de Rogério Tadeu da Luz (PRTB) e Fábio Nogueira (PSOL), todos os postulantes dedicaram boa parte de seus respectivos planos de governo com ideias para o setor. Alice Portugal (PCdoB) e ACM Neto (DEM) são donos das propostas mais objetivas, e vale dizer que ambos defendem vários pontos em comum. Já o Pastor Sargento Isidório (PDT) é o candidato com maior número de sugestões, mas nem todas são explicadas ou se mostram viáveis. Confira:

ACM Neto (DEM)
Depois do candidato Fábio Nogueira, o trecho referente às propostas para a educação do democrata é o mais sintético, caracterizado pela continuidade e expansão dos projetos desenvolvidos na atual gestão. Neto promete expandir a educação infantil, fortalecer a qualidade pedagógica e implementar um programa de formação continuada para os professores da rede municipal. O democrata também quer ampliar a oferta de vagas em tempo integral através da Escolab, dar continuidade ao projeto Nossa Rede, manter o programa Agente da Educação para reduzir a evasão escolar e dar continuidade ao “processo de modernização da rede física escolar”.

Alice Portugal (PCdoB)
A comunista é dona de um dos mais ambiciosos conjuntos de propostas, incluindo a garantia de creche e pré-escola para todas as crianças de 0 a 14 anos; a implementação do programa Cidade Educadora, com o intuito de reformar a grade curricular, melhorar a estrutura física das escolas, criar um programa de educação ambiental e implantar o “Prouni Municipal”. A deputada federal promete ainda implantar ensino em tempo integral em pelo menos 200 escolas municipais e abrir 50 mil vagas em creches comunitárias. Além disso, a postulante quer criar um projeto para envolver a comunidade no ambiente escolar por meio de atividades culturais e esportivas, e estimular a interação entre as secretarias da Educação, Cultura e Desenvolvimento Social com instituições tecnológicas. Assim como o concorrente democrata, Alice também pretende investir na formação continuada.

Fábio Nogueira (PSOL)
O candidato do PSOL tem a intenção de criar “uma Mesa Permanente de Negociação com todas as categorias de servidores onde serão discutidos seus reajustes, planos de cargos e condições de trabalho”. Além disso, o socialista propõe avaliar com os professores os planos e “os rumos da educação no município”.

Claudio Silva (PP)
O pepista quer “adequar” as unidades escolares, tanto no que se refere à estrutura física quanto ao quadro de funcionários; implantar um programa de educação continuada em parceria com centros de pesquisa; revitalizar unidades complementares, como centros de idiomas, centros esportivos e bibliotecas; e implantar e ampliar de forma “gradativa” o Programa Escola em Tempo Integral para o primeiro ciclo. O ex-superintendente da Sucom promete ainda ampliar o sistema de educação infantil e pré-escolar; levar aparatos tecnológicos para as unidades de ensino; e incentivar a leitura da comunidade por meio da escola. Por fim, o plano de governo sugere a inserção de temas transversais na matriz curricular, o incentivo a grêmios estudantis e associações de pais e o fortalecimento do sistema de vigilância das escolas.

Célia Sacramento (PPL)
A postulante pretende criar um programa de formação continuada e um que visa a distribuição gratuita anual de uniformes e material escolar. Célia também quer construir 50 novos Centros Municipais de Educação Infantil e ampliar as unidades já existentes; revitalizar unidades escolares; implantar a educação integral para o Ensino Fundamental II; reestruturar a proposta pedagógica voltada ao atendimento de jovens e adultos, “organizando um currículo voltado ao mundo do trabalho e que considere as diversidades”; e combater a evasão escolar. A atual vice-prefeita promete dar atenção à alfabetização de jovens e adultos, reorganizar as orientações para a construção do Plano Político Pedagógico e potencializar o papel da escola nas campanhas educativas sobre assuntos cotidianos. Por fim, Célia sugere a integração das atividades e serviços da área de saúde com faculdades de medicina e enfermagem.

Rogério Tadeu da Luz (PRTB)
O candidato pretende levar “creches para 100% das crianças”, converter “100% das escolas municipais em colégios militares” e transformar “50% das escolas em tempo integral”.

Pastor Sargento Isidório (PDT)
Entre os candidatos, o plano de governo do pedetista é o mais extenso no quesito educação, elencando 29 itens. As principais propostas para a área incluem buscar parceria com o Estado, promover a educação em tempo integral, aumentar o número de vagas nas creches e uma consulta pública para escolher o secretário da pasta. O deputado estadual também sugere a inserção “no currículo da escola a pauta sobre valores e princípios, que propiciem ao educando a sua real participação na sociedade”, e ainda: fomentar a “cultura de paz” nas escolas, criar mais espaços de leitura, promover a educação inclusiva (Isidório é o único candidato que mencionou o assunto) e ampliar os serviços de alimentação escolar. O candidato propõe ainda o acompanhamento psicopedagógico de alunos com déficit de aprendizagem, e sugere que “haja critério na escolha e uso de brinquedos e materiais pedagógicos, na instituição infantil”, mas não explica o item de forma concreta.  


Outros destaques: