Economia: O preço da sucata

10 de dezembro de 2017

O Dia

– Proposta de fusão entre duas das três principais produtoras de aço do país gera preocupação nos sucateiros, que temem queda do preço e desestímulo ao trabalho dos catadores –

Rio – A proposta de fusão entre a ArcelorMittal Brasil e a Votorantim Siderurgia, duas das três maiores produtoras de aços longos no país, acendeu um alerta no setor de sucatas, a principal matéria-prima usada na fabricação do produto. A preocupação dos representantes do segmento é que, com a concentração das companhias, haja um poder de compra dominante sobre o mercado, o que poderia levar à queda no preço da sucata. A fusão das empresas está sendo analisada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A decisão final, prevista para março de 2018, pode afetar cerca de 1,5 milhão de trabalhadores ligados ao setor de sucata no país.

A estimativa é do Instituto Nacional das Empresas de Sucata de Ferro e Aço (Inesfa), que, junto com a CSN e o Sindicato das Empresas de Sucata de Ferro e Aço (Sindinesfa), entrou com uma representação no Cade contra a união das empresas. Em setembro, a Superintendência-Geral do conselho emitiu parecer contrário à aquisição da Votorantim pela concorrente ArcelorMittal. Agora, o caso será analisado pelo Tribunal do órgão.

A sucata é a matéria-prima usada na produção de aços longos

A sucata é a matéria-prima usada na produção de aços longos

Foto: Divulgação

Segundo a manifestação inicial do Cade, a transação significaria a eliminação de um concorrente relevante num segmento onde as três maiores empresas ArcelorMittal, Votorantim Siderurgia e Gerdau respondem por mais de 80% da produção de aços longos no Brasil. Assim, constataram os técnicos do Cade, a fusão implica em um significativo aumento do poder de compra de sucata, o que poderia prejudicar os fornecedores do produto, que, como apontou o parecer do conselho, dependem da venda da sucata para as siderúrgicas.

“Com a união das empresas, vai haver concentração do poder de compra. Quanto menos empresas comprando, menor será o valor da sucata”, aponta Leonardo Palhares, diretor de assuntos institucionais do Inesfa.

O Inesfa e o Sindinesfa promoveram%2C em novembro%2C um encontro em São Paulo para debater os efeitos da concentração das usinas de aço

O Inesfa e o Sindinesfa promoveram%2C em novembro%2C um encontro em São Paulo para debater os efeitos da concentração das usinas de aço

Foto: Divulgação

Na cadeia de produção, estão os catadores de materiais recicláveis. No caso da sucata, serve qualquer objeto de metal, como latinhas de alumínio. O material segue para as empresas de reciclagem, que preparam a sucata para as siderúrgicas produzirem o aço, produto destinado às indústrias do construção civil e automotiva, principalmente.

Proprietário da Bal Prensa Comércio e Indústria de Ferro, Marco Aurélio Borgerth é uma voz discordante no Inesfa. Para o empresário, que tem cerca de 5 mil catadores cadastrados na empresa, a fusão entre a ArcelorMittal e a Votorantim é positiva. “Ao comprar a Votorantim, a ArcelorMittal não vai permitir que aconteça a ilegalidade que alguns sucateiros praticam hoje. Eles vendem a sucata com nota fiscal de um estado diferente do local de produção, para ganhar a mais com frete e ICMS. Isso causa especulação no preço da sucata”, diz.

Leonardo Palhares%2C diretor de assuntos institucionais do Inesfa

Leonardo Palhares%2C diretor de assuntos institucionais do Inesfa

Foto: Divulgação

A posição das empresas

Em nota, a ArcelorMittal afirmou que, caso a fusão seja aprovada, ‘continuará fiel a sua política de lidar com fornecedores de portes diversos em termos e condições justas’. Segundo a empresa, a transação irá aumentar a competitividade do mercado brasileiro do aço. Já a Votorantim informou que ‘colabora com o Cade para identificar e solucionar eventuais preocupações concorrenciais e continua confiante nos méritos da transação’.

Leia também...

Loading...
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Leitores On Line