Classe X: A primeira grandona da Mercedes

O Dia

– Futura Classe X será lançada primeiro na Europa, em 2017, com plataforma Renault-Nissan –

Rio – Aliando dois conceitos, a Mercedes-Benz anuncia sua primeira picape, a futura Classe X. Uma variante aponta para a missão tradicional do veículo, o trabalho pesado no terreno. Enquanto a outra adiciona sofisticação do segmento premium. A plataforma é a mesma de Nissan Frontier e Renault Alaskan, marcas que formaram parceria. Chegará no fim de 2017, primeiro na Europa, para depois chegar a Argentina, África do Sul, Austrália e Brasil.

Apreciando o visual dos conceitos, a versão civil ostenta grandes rodas de 22 polegadas e lanternas que circundam a tampa da caçamba. Já a proposta aventureira tem pneus apropriados, suspensão mais alta, molduras na caixas de rodas e tampa da caçamba perfurada. No interior, segundo a montadora alemã, a aparência terá ‘componentes conhecidos e apreciados pelos clientes do Classe C e Classe V’.

Pouco ainda foi revelado sobre a novidade. Diz a Mercedes que a versão topo de linha terá motor diesel V6 com tração permanente nas quatro rodas, a 4MATIC. Para o fora de estrada, a picape terá, naturalmente, reduzida e dois bloqueios de diferencial.

Segundo a Mercedes, propulsão e chassi são fortes ao ponto de permitir uma carga útil superior a 1,1 tonelada e uma força de tração de até 3,5 toneladas. Na prática, ainda de acordo com a fabricante alemã, a picape é capaz de transportar cerca de quatro metros cúbicos de lenha na caçamba e um veleiro a reboque.

As atenções com segurança na nova Classe X ficarão sob sistemas de assistência ao motorista com base em câmeras, radares e sensores de ultrassom, para aliviar o esforço de algumas situações

A Mercedes-Benz Classe X será produzida a partir do ano que vem na fábrica da Nissan, em Barcelona, Espanha, para abastecer o mercado europeu, australiano e sul-africano. Para a América Latina, incluindo o Brasil, a picape média premium sairá da linha de montagem da unidade da Renault em Córdoba, Argentina, somente a partir de 2018.


Outros destaques: