Castro diz que sua candidatura à presidência da Câmara ‘ajuda’ Temer

O candidato do PMDB à presidência da Câmara, Marcelo Castro (PI), disse, nesta terça (12), que sua candidatura “ajuda o governo” de Michel Temer, também do PMDB, e que “sente” que já está no segundo turno.

Castro diz que sua candidatura à presidência da Câmara 'ajuda' Temer

A decisão de lançar uma candidatura pelo partido e aescolha do nome de Castro –que foi ministro da Saúde de Dilma Rousseff e votou contra o impeachment em abril– desagradou o Planalto.

O governo interino defendia que o PMDB –maior bancada da Câmara– não deveria ter candidatura própria para não pulverizar ainda mais a disputa parlamentar na base aliada.

“A candidatura do PMDB ajuda o governo. Se o PMDB não lançar candidato, vai, em seguida, apoiar outro candidato. E todos os candidatos lançados até agora, à exceção da Luiza Erundina (PSOL-SP), são da base do governo”, disse, acrescentando que se o PMDB decidisse então por uma delas, “as demais ficariam chateadas”.

“O PMDB tendo um candidato próprio, nós temos uma grande justificativa: a vaga é do presidente da Câmara, que é do PMDB. E o PMDB não tem mais nenhum cargo na mesa, porque, para nós termos a presidência, nós negociamos todos os outros.”

Castro, no entanto, esteve no Planalto nesta terça e não foi recebido por Temer, que estava “tratando de assuntos muito importantes”. No início da noite desta terça, ele disse a jornalistas que esperava encontrar o presidente “para tranquilizá-lo”.

“Vou dizer [a Temer] que sou candidato do PMDB, legitimamente escolhido pela bancada, e que ele fique tranquilo que não vou usar este recurso ou artifício de que sou candidato do partido do governo”, afirmou.

IMPEACHMENT E PT

Castro admite que o fato de ter votado contra o impeachment de Dilma pode ser um obstáculo para sua eleição à presidência da Câmara.

“Se há algum ato que alguém poderia reparar é a votação do impeachment, mas eu não tinha outra posição a assumir que não fosse aquela, sob pena de me desmoralizar publicamente. Eu era ministro da presidente Dilma”, justifica.

Ele ainda disse que ele não assumiu o ministério numa “negociação pessoal, Marcelo Castro-presidente Dilma”. “Eu fui ministro da Dilma indicado pela bancada do PMDB.”

Castro declarou ainda não ter os votos do PT. “Mas se o PT me apoiar, vai ser muito importante para a minha vitória”, disse. Ele afirmou estar atrás do apoio do PT, PDT e PC do B. “Estamos conversando também, muito respeitosamente, com o PSB. E se o PP não lançar oficialmente um candidato, vamos conversar com o PP.”

Ele disse ainda que não é o “candidato anti-Cunha”. “Sou candidato a favor da Câmara. A Câmara está precisando de paz, de harmonia, de tranquilidade.”

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com