Candido Mendes: Dilma, de vítima a combatente

31 de agosto de 2016

O Dia

– Dilma forçará o confronto, com todo o ímpeto de um protagonismo reforçado pela alegação de golpe –

Os últimos dias mostram a tentativa de fuga à fatalidade de um patíbulo para Dilma, no desfecho do impeachment. E o eixo da mudança vai, finalmente, à recusa, pela presidenta, de se vitimizar, relegando à história o nosso presente embate político. Dilma forçará o confronto, com todo o ímpeto de um protagonismo reforçado pela alegação de golpe e pelas contradições da equipe do presidente interino.

No quadro inédito desse processo no Senado, Dilma não tem ilusões sobre o resultado do voto. Transpõe, já, para o apelo à esperança a fiabilidade de um retorno sem prazo, a protagonizar as nossas opções de destino. A esperada contundência dos ataques à presidenta perde a primeira tônica, na medida em que as acusações diminuem a nitidez quanto ao verdadeiro impacto das pedaladas, a complexidade dos engastes orçamentários e os precedentes nessa política pública do Executivo.

Só avança, por outro lado, a opinião pública internacional a favor de Dilma, na condenação do vício das quebras de governabilidade típicas da cultura política das nações subdesenvolvidas. Avulta, mais ainda, a rejeição crescente do presidente interino nos repetidos cartazes e gritos de “Fora, Temer”, que levaram, inclusive, à desistência do primeiro mandatário em comparecer ao fim da Olimpíada. Por sua vez, mais se delineiam a força política de Dilma no Nordeste e o avanço da crença à permanência de um petismo, especialmente no Nordeste, tendente a ver só o carisma de Lula no futuro das esquerdas do Brasil. E essa marca da opinião pública se robustece mais ainda na falta de identidade do governo interino, diante da semelhança dos seus anunciados programas de governo com a proposta do regime petista.

Ao mesmo tempo, no quadro das opções de futuro do PT, desponta a recusa, ameaçada pela direção do partido, do apelo ao plebiscito por eleições, proposto por Dilma. Só se marca, por aí, a ambiguidade sobre as opções de futuro do PT, na diferença de perspectiva sobre a prevalência de Lula no imediato apelo às urnas.

A situação só começará a se resolver após a decisão de aumento ou não de impostos pelo governo Temer, a, de fato, despertar o eleitorado petista, garantindo o Bolsa Família, ou se cristalizando num regime do status quo.

Candido Mendes é membro da Academia Brasileira de Letras

Leia também...

Loading...
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Leitores On Line