Ato alerta para riscos do câncer infantil

O câncer infanto-juvenil pode ser derrotado quando diagnosticado precocemente. Por isso, uma turminha de pacientes curados e em tratamento fizeram caminhada ontem (25), na Avenida Magalhães Neto, com o objetivo de chamar atenção da sociedade para a prevenção da doença. Dados do Ministério da Saúde apontam que na Bahia surgem 500 novos casos por ano, sendo que no Brasil, a estimativa é de que pelo menos 12,6 mil crianças e adolescentes sejam acometidos por câncer, nos anos de 2016 e 2017.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer é a doença que mais mata crianças e jovens de 1 a 19 anos no Brasil. “É importante descobrir a doença precocemente para que seja feito um tratamento menos agressivo na criança. Se o câncer for descoberto tardio, será necessário um tratamento mais doloroso”, explicou a coordenadora de Oncologia Pediatra do São Rafael, Dolores Dórea.

Para ela, a caminhada do Setembro Dourado é o primeiro passo para chamar atenção dos pais para observar melhor as queixas de seus filhos. “Às vezes eles não dão tanta importância aos sintomas, pensam que é uma simples dor de cabeça ou barriga e acabam medicando as crianças com paliativos que posterga um problema maior”, observou a médica. 

 Alguns dos sintomas são crescimento do olho – podendo estar acompanhado de mancha roxa no local -, palidez inexplicada, dores nos ossos e nas juntas, com ou sem inchaço, febre prolongada, de causa não identificada, vômitos acompanhados de dor de cabeça, diminuição da visão ou perda de equilíbrio, caroço em qualquer parte do corpo, especialmente na barriga, manchas roxas, sangramento pelo corpo sem machucado e perda de peso. “Se seu filho apresentar qualquer um desses sintomas leve-o a médico e lembre-se que, o câncer tem cura”, afirmou a oncologista.

Os tipos de câncer mais comuns na infância e adolescência são: leucemias, tumores do sistema nervoso central e linfomas. Neuroblastoma e Tumor de Wilms são mais raros, porém acontecem com certa frequência na população pediátrica. A cura do Câncer Infanto-Juvenil está em torno de 70%, se diagnosticados precocemente. 
 


Outros destaques: